EBOLA E SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A PROFECIA BÍBLICA

Por Mark Ellis

Nbook-covero dia 1o de Outubro, 34 ONGs fizeram um alerta na Conferência de Londres do Ebola que o vírus Ebola está se espalhando exponencialmente e os países tinham apenas um mês para conter seu avanço. No dia 13 de Outubro, a Organização Mundial de Saúde revisou suas estatísticas, subindo a taxa de mortalidade na África Ocidental de 50% para 70%.

Será que existe um elemento bíblico profético para a pior epidemia de Ebola na história?

“Fiquei chocada quando vi finalmente o Ebola na África Ocidental”, diz Sharon Gilbert, autora de “Ebola e o Quarto Cavaleiro do Apocalipse” (Defender Publishing). Gilbert é uma bióloga treinada, que também estudou a profecia bíblica por 50 anos. “O Ebola geralmente tem aparecido nas nações da África Oriental.”

Ela observa que o genoma da versão Africana oriental do vírus é 20% diferente da atual versão, o que gera um alerta de saúde em todo o mundo, de modo que a sua capacidade de se transformar em algo ainda mais perigoso ou transmissível é uma possibilidade real.

Gilbert aponta para Apocalipse 6:8 para destacar as suas preocupações sobre o que pode estar chegando: “E olhei, e eis um cavalo amarelo. E o nome daquele que estava assentado sobre ele foi a Morte, e Hades seguia com ele. E o poder foi dado a eles sobre a quarta parte da terra, para matar com a espada, com a fome, com a peste e por meio das feras da terra.”

A palavra para “feras” nesta passagem vem da palavra grega Therion, que, de acordo com Gilbert, literalmente significa “pequenas feras”.

“Eu realmente acredito que estes são micróbios patógenos de algum tipo”, ela afirma. A pessoa que monta o cavalo amarelo é dado o poder de matar um quarto da humanidade, e há muito poucos organismos patogênicos capazes disso.

Gilbert compara a letalidade do vírus Ebola com o HIV / AIDS. “O HIV é um vírus latente que pode levar um longo tempo para matá-lo, e pode até não matá-lo. O Ebola pode matá-lo dentro de uma semana. Ela observa os pesquisadores do CDC estimam que a África Ocidental poderia ter até 1,5 milhão de casos ativos até o final de janeiro de 2015.

“Jesus diz aos seus discípulos em Mateus 24, haverá guerras e rumores de guerras, fomes, terremotos, e vai ficar cada vez pior, como as dores do parto ao entrarmos no final dos tempos”, observa ela.

“Eu não acho que o Quarto Cavaleiro está montando ainda”, diz ela. “Mas eu acredito que estamos vendo as contrações de “Braxton Hicks” (contrações que precedem as dores) para as dores de parto.”

Uma mulher grávida, muitas vezes, pode sentir contrações relativamente fortes seis semanas antes de sua efetiva entrega, conhecida como Braxton Hicks. É um alarme falso, mas uma sugestão biológica um bebê está a caminho.

“Tudo o que estamos vendo é um chamado para acordarmos. Isso pode se transformar em uma pandemia, onde um quarto do mundo poderia morrer. Estamos correndo contra o tempo. “

Gilbert acredita que o vírus pode ser transmissível através do ar, mas de uma forma menos eficiente. “Houve um caso em um laboratório de pesquisa em Reston, Virginia, nos anos 90, onde o Ebola foi transmitido a partir de uma sala para outra sala através dos dutos de ar, infectando macacos na sala ao lado.”

Alguns cientistas no laboratório ficaram levemente doentes com sintomas de gripe. Seu sangue foi testado e encontraram anticorpos Ebola. “A idéia é que genes Ebola não são bem adaptadas para infectar o trato respiratório humano”, observa ela. “Há certos tecidos onde o Ebola infecta melhor. Ele tem preferência para um tipo de tecido”.

“Ficarei feliz se o vírus morrer e meu livro ficar juntando poeira em uma prateleira”, diz ela. “Não importa o que aconteça, nós temos que confiar no Senhor. Ele é a nossa Rocha, e Ele vai nos proteger “.

“Este é um lembrete para a igreja, temos que dizer ao mundo sobre Jesus”, diz Gilbert.

Anúncios