AS ERAS MAIS PRIMITIVAS DA TERRA – PARTE 3

PARTE 3

TODOS [NEPHILIM] OS ESPÍRITOS QUE TIVERAM RELAÇÕES [SEXUAIS] COM OS HOMENS SÃO ESPÍRITOS MALIGNOS, CUJA INFLUÊNCIA UMA VEZ ESTABELECIDA VIA COMUNICAÇÃO ABERTA, É DIFÍCIL DE ESCAPAR

Mas como todos esses processos são uma transgressão dos limites da humanidade estabelecidos pelo

Criador, segue-se que todos os seres sobrenaturais que os ultrapassem e mantenham relações sexuais com o transgressor, devem ser espíritos do mal. E a confusão ilegal traz a sua própria punição imediata, além do terrível juízo por vir. Pois nosso corpo parece ser não só uma prisão, mas também uma fortaleza, e não é de forma aleatória, pois é idealizado com o propósito de nos proteger contra a influência corruptora de demônios. Em sua condição normal, ele efetivamente repele seus ataques mais abertos e violentos, mas se uma vez quebrada a vedação, já não somos capazes de restaurá-lo, e passamos a estar expostos aos ataques de inimigos malignos.

Mas uma vez que a pessoa não pode ser hipnotizada pela primeira vez sem o seu próprio consentimento, quando esses casos ocorrem, provavelmente é devido a alguma fraqueza especial, que não pode raramente ser atribuída a um pecado especial. Mas se a submissão uma vez foi concedida, é difícil retirá-la, e cada exercício novo de poder sobre o mesmo paciente aumenta a sua influência.

Assim, no caso de comunhão com os demônios, há poucos que podem se tornar médiuns sem perseverança, mas quando a comunicação foi uma vez estabelecida, os espíritos são relutantes em cedê-lo, e estão acostumados a perseguir aqueles que, tendo consciência de seu pecado, são determinados pela graça de Deus a não transgredir mais.

Exame das palavras do Velho Testamento aplicadas a feiticeiros. 

Vamos agora examinar os termos bíblicos usados para descrever aqueles que praticam artes sobrenaturais, dando em cada caso, a palavra hebraica com uma explicação aproximada.

Chartummim. “Os escribas sagrados.” Este é um nome dado para os magos do Egito nos tempos de José e Moisés, e também para aqueles da Babilônia nos dias de Daniel. A palavra parece estar ligada com o cheret hebraico, uma pena de escrever ou uma caneta, e para descrever os membros da casta sacerdotal, que embora também praticassem outros tipos de magia, estavam principalmente preocupados com a escrita. Talvez fossem idênticos aos meios de escrita dos nossos dias, que de acordo com o autor de “Visões de um Grande Terra”, são divididos em cinco classes da seguinte forma. Aqueles cuja mão passiva é movida pelo demônio sem qualquer volição mental da sua parte; aqueles em cuja mente cada palavra é insinuada instantaneamente com sua inscrição automática no papel; aqueles que escrevem a partir do ditado das vozes do espírito; os que copiam palavras e frases que são feitas ao verem escritas no ar, ou em cima de algum objeto apropriado, em letras de luz; e por fim, aqueles em que há a presença das mãos do espírito, às vezes visíveis, às vezes invisíveis, pega a caneta e escreve a comunicação.

Chakhamim. “Os homens sábios.” E quando esta palavra se une à chartiunmim, aparece   o chakhamim que transformam suas varas em serpentes, é assim que eram chamados, não como meros filósofos ou homens de experiência, mas como homens tendo relações com os seres sobrenaturais os quais os fazem parecer ter sabedoria maior que a humana e poderia exibir poderes milagrosos. Podemos comparar o nosso próprio termo “mago”, que originalmente significava um homem sábio, ou conhecedor.

No décimo oitavo capítulo de Deuteronômio há uma passagem notável, que na versão em  português é a seguinte: – “Não se achará entre ti um que faz o seu filho ou a sua filha passar pelo fogo, nem adivinhador ou que se adivinho, ou um observador das épocas, ou uma bruxa, ou encantador, nem quem consulte os espíritos familiares, ou um mago, ou um necromante. Por tudo isso é que essas coisas são uma abominação ao Senhor.

Esta lista de abominações começa com aquele “que faz o filho ou a sua filha passar pelo fogo”, uma frase que não deve ser entendida como a queima de crianças em um sacrifício a Moloque, mas de uma espécie de purificação pelo fogo, ou fogo de batismo, pelo qual eles foram consagrados ao deus, e devem ser libertados do medo de uma morte violenta. Este é um tipo de encantamento ou feitiço claramente expresso nas feitiçarias. Vamos agora examinar os termos restantes na ordem em que estão.

Qosem. Um adivinho, aquele que descobre as coisas ocultas do tempo presente ou futuro passado por meios sobrenaturais. Este parece ser um termo abrangente, utilizando-se de um adivinho por presságios e moedas ou por comunicação direta de um espírito.

Meonen é derivado de uma raiz que fornece uma escolha de significaçõe. A palavra pode significar tanto um praticante de artes ocultas, ou um adivinho por fumaça. Mas uma conexão com ayin, o olho, é muito mais provável, e podemos, então, deduzir o significado de um hipnotizador com os olhos, ou, em linguagem moderna, um mesmerista, que jogando o outro em um sono magnético obtém dizeres oraculares dele. Muitos, porém, preferem o significado de um “observador”, isto é, aquele que faz inspeção minusciosa das entranhas de forma a deduzir os presságios, em contraste com o áugure que adivinhava por símbolos que requerem o uso da orelha, bem como o do olho.

Menachesh. Esta palavra está conectada com nachash, uma serpente, e é geralmente explicado para significar um sussurrador ou assobiador, logo, um fabricante de encantamentos. Mas o uso do verbo do qual é o particípio Piel parece apontar numa direção diferente. No décimo terceiro capítulo do Gênesis, Labão suplica a Jacob para ficar com ele: “para”, diz ele: “Eu divino ou, mais literalmente, percebo através da observação de que o Senhor me abençoou por amor de ti”. E novamente, quando ao pleito dos servidores de Ben-Hadade, Acabe respondeu: “Ele ainda está vivo?” “Ele é meu irmão”. É dito que os homens “adivinhos”, “tomam um presságio”, a partir do que ele tinha dito. Daí o verbo parece ter sido usado principalmente em desenhar uma inferência a partir da observação rápida, e depois vem a adivinhação. O significado do primeiro é nachash, uma serpente, por conta de sua inteligência rápida. O segundo, menachesh, um áugure, aquele que adivinha observando sinais e símbolos, como o canto e vôo dos pássaros, fenômenos aéreos, e outras atrações e sons.

Mekhashsheph. A raiz desta palavra significa “orar”, mas apenas a falsos deuses ou demônios. Por isso é talvez aplicada para aqueles que usam encantamentos ou fórmulas mágicas.

Chobher chebher. Literalmente um aglutinador de uma parte ou feitiço. Ou seja, ou um fabricante de encantos materiais e amuletos, ou, muito mais provavelmente, aquele que por encantamentos e feitiços traz demônios em associação a si mesmo, a fim de obter ajuda ou informações a partir deles. É uma prática comum para abrir uma sessão moderna entonando ou cantando hinos para invocar a presença de espíritos.

Shoel obh. Um consultor de demônios. Isto é, aquele que estabeleceu esta comunhão para se comunicar com eles diretamente, e nem precisa de médiuns ou sinais ou presságios, nem mesmo requer a ajuda de feitiços para atraí-los para si mesmo.

Uma obh é um demônio de adivinhação, mas anteriormente a palavra também era aplicada à pessoa ligada a um demônio. Originalmente significava uma garrafa de pele, e sua transição a partir deste primeiro significado para a sua segunda pode ser claramente detectado na exclamação seguinte de Eliú: “Porque eu estou cheio de matéria, o espírito dentro de mim me constrange. Eis que a minha barriga é como o vinho que não tem ventilação, está pronto para estourar como garrafas novas.”A palavra aparece, então, ter sido usada para aqueles em quem um espírito imundo havia entrado, porque os demônios, quando estão para oferecer respostas oraculares, fazem com que os corpos dos possuídos cresçam túmidos e inflados. Podemos talvez comparar a descrição de Virgílio sobre o oráculo de Sibília: “pois ele nos diz que seu peito começou a inchar com frenesi, e sua estatura apareceu aumentar quando o espírito do deus se aproximava.” Segundo alguns no entanto, o médium foi chamado de obh, pois foi o recipiente ou invólucro do espírito, mas em qualquer um dos casos, o termo foi depois foi aplicado ao demônio em si.

Abaixo, a Pythonis de Apollo na Capela Sistina em Roma nos mostra o sexto dedo em detalhe observado por Tom Horn e sua conexão não apenas com a possessão demoníaca, mas com os Nephilim.

Que o espírito, na verdade, habita dentro da pessoa que adivinha por ele, pode ser visto numa passagem anteriormente citada de Levítico, a tradução literal do que acontece: “Um homem ou uma mulher, quando um demônio está neles”, etc. E em estrita conformidade com esta é a passagem da moça de Filipos que tinha um espírito Pitônico. Pois Paulo obrigou o espírito a sair dela, e ela imediatamente perdeu todo o seu poder sobrenatural.

A partir das histórias de bruxas medievais e pelo que ouvimos falar nos meios modernos, parece provável que uma conexão com um obh é frequente, se não sempre, o resultado de um pacto, para que o espírito em troca de seus serviços contem com o uso do corpo do médium. Na verdade, não há razão para acreditar que haja diferença entre um possuído, no sentido comum do termo, apenas porque no caso do médium há um aliança existente entre o demônio e o possuído, onde a dualidade assustadora e confusão do possuído surge da recusa do espírito humano a uma submissão passiva e no médium há a aceitação da ligação com o intruso.

E não vamos supor que a idade de endemoninhados é passado, o lapso de alguns séculos não reconciliou demônios para o estado desencarnado, eles estão mais ansiosos que nunca para vestir-se com corpos. No decorrer de uma conversa interessante que o escritor tinha com o falecido Dr. Forbes Winslow, o último expressou sua convicção de que uma grande proporção de pacientes em nossos manicômios são casos de possessão, e não de loucura. Ele distinguiu o endemoninhado por uma dualidade estranha, e pelo fato de que, quando temporariamente libertado da opressão do demônio, ele é muitas vezes capaz de descrever a força que se apodera de seus membros, e obriga-o a atos ou palavras de vergonha contra a sua vontade.

Yidoni. A um saber, isto é, uma pessoa que é capaz de fornecer as informações necessárias, por meio de espíritos com a qual ele está associado.

Doresh el hammethim. Um procurador de mortos, um necromante, que consulta os mortos para um conselho ou informação. O familiar deveria invocar o espírito necessário, assim como no espiritismo moderno, mas, como veremos em breve, em todos os casos é o próprio obh personificando mortos.

Essa, então, são as abominações mencionadas no décimo oitavo capítulo de Deuteronômio, mas há ainda outros termos na Escritura aplicada aos praticantes de artes afins ou similares.

Ittim. Esta palavra ocorre em Isaías e parece significar murmuradores ou sopradores, isto é, aqueles que repetem feitiços ou encantamentos.

Na descrição de Isaías da queda da Babilônia, a cidade tão famosa por seus astrólogos, encontramos menção de Hobhre Shamayim, isto é, divisores dos céus, astrólogos que dividem os céus em casas para a conveniência de seus prognósticos.

As mesmas pessoas são, então, descritas como Chozim bakkokhabhim, adivinhadores de estrelas, aqueles que estudam as estrelas para o propósito de tomar horóscopos.

Por fim, dizem estão ser Modiim lechodashim, entregadores de previsões mensais de suas observações.

Em Daniel, temos dois outros termos aplicados para aqueles que estavam familiarizados com artes proibidas.

Ashshaph. Um feiticeiro. Propriamente um praticante de artes ocultas: a palavra está ligada com ashpah, um tremor, aquele em que as setas estão escondidas.

Gasrin. Decididos, determinantes, praticantes da arte de moldar natividades. Usado por astrólogos que, a partir de um conhecimento da hora do nascimento, determinaram o destino dos homens pela posição das estrelas, e por várias artes de computação e de adivinhação.

Observações sobre expressões de feitiçaria no Novo Testamento.

No Novo Testamento, os seguintes nomes parecem ser abrangentes e gerais, são aplicados para aqueles que lidam com os poderes das trevas.

Mayoi. Originalmente os Magos eram uma casta persa religiosa, mas sua influência foi posteriormente espalhadas por muitos países. Eles agiam como sacerdotes, sacrifícios prescritos, eram adivinhos, interpretavam sonhos e presságios. Orígenes afirma que eles estavam em comunicação com espíritos malignos, e consequentemente podiam fazer o que estava dentro do poder de seus aliados invisíveis. Certamente, se podemos confiar nas declarações dos primeiros escritores cristãos, eles estavam bem familiarizados com o mesmerismo e com a prática do Espiritismo moderno.

Papuakevs. Aquele que usa drogas, quer para fins de envenenamento, ou para poções mágicas ou feitiços que são cuidadosamente distinguidos por Platão em seu De Legibus. Nos Nubes de Aristófanes, Strepsiades sugere a contratação de uma bruxa Tessália para desenhar a lua, e o verbo Papuakevelv é usado por Heródoto, em referência ao sacrifício de cavalos brancos em que os Magos procuravam o encanto Strymon. Novamente, Papuakeia é empregada na Septuaginta para expressar as artes pelas quais os magos do Egito imitavam os milagres de Moisés. Estes exemplos são suficientes para mostrar que a palavra logo se tornou um termo geral para um feiticeiro, e ao traçar o seu significado, não se deve esquecer que as drogas foram administradas frequentemente pelos antigos para a finalidade de produzir um efeito semelhante ao do magnetismo.

Por duas vezes no Novo Testamento, feitiçaria Papuakeia e idolatria estão acoplados. E ao comentar sobre a primeira passagem, Lightfoot bem observa que a idolatria significa o reconhecimento aberto de deuses falsos, e feitiçaria como o segredo da adulteração dos poderes do mal.

Oi ra repiepya rpaeavtes. Aqueles de prática curiosa, isto é, artes mágicas. Talvez, entre outras coisas, eles traficavam amuletos célebres chamados cartas de Éfeso, que se dizia serem as cópias das palavras místicas inscritas na imagem de Ártemis, e ter a propriedade de preservar seus usuários de todo o mal. Os livros que destruíram poderiam ter contido os cálculos astrológicos, o “Babylonios numerosos” de Horácio.

As práticas de feitiçaria podem ser dividias em três classes.

Na lista desses termos observaremos que as artes demoníacas se dividem em três classes. A primeira compreende todos os tipos de adivinhações por objetos, imagens e ciências proibidas; a segunda é o uso de magias e encantamentos como meio de se conseguir o que deseja; e a terceira são todos os métodos diretos de comunicação inteligente e cooperação com demônios.

Em relação à primeira classe, os sinais e adivinhações são sem dúvidas arranjados por demônios, os quais depois de induzirem a uma crença em sua existência ao se apresentarem perante as pessoas depois da ocorrência de certos eventos, podem então facilmente atuar sobre as mentes humanas e, pela simples aparência das coisas, deter os homens de seus propósitos, ou empurrá-los a maldades indescritíveis.

Quanto às ciências proibidas, uma vez que provavelmente tudo na natureza pode nos afetar, pode existir um

fundo de verdade nela, uma vez que a própria Escritura nos diz que esse é o caso da astrologia. Mas nesse caso ela seria positivamente dirigida por Deus, e não é muito difícil descobrir por que Ele a proíbe. Pois a mente do homem é incapaz de absorver e lidar com conhecimento tão profundo e complicado. Com sua atual capacidade, ele levaria quase toda uma vida para entedê-la e ainda assim seria miseravelmente imperfeita e de resultados falsos, pois viveria em mistério. Nem em sua condição caída poderia ser confiado tremendo segredo, mesmo se ele os pudesse compreender. Seu orgulho e independência iriam inflar, nada poderia fugir dele, e sua maldade o levaria a crimes que até mesmo hoje não teriam lugar em nossa imaginação.

As magias e encantamentos podem ser forjados por demônios, pois ao trazerem o efeito desejado quando podem, estabelecem a fé neles ou, talvez, eles estejam imantados sob uma força real aos meios empregados, se utilizada desmedidamente por espíritos rebeldes.

Comunicação direta com demônios, seja pela escrita, clarividência, psicofonia, ou o que tiver aceitação universal atualmente, é sustentada pelo que é chamdo de força mediúnica, uma faculdade que já falamos, pode ser desenvolvida instintivamente, mas que na maioria dos casos só pode ser obtida por prática e perseverança no uso de meios adequados.

Avisos históricos do Espiritismo na Bíblia. Os ídolos.

Tendo examinado os termos bíblicos aplicadas aos negociadores de demônios, vamos agora olhar para os fatos históricos ilustrativos do assunto. Após o pecado antediluviano já comentado, observou-se que sua repetição em tempos pós-diluvianos parece ter originado todos os sistemas pagãos e mitologia. Vamos, portanto, passar para a próxima indicação de demonismo, que aparece na menção de ídolos.

A derivação da palavra tem causado muitos problemas, mas a conjectura do RS Poole, no “Dicionário da Bíblia” de Smith, é digno de consideração, e traz os ídolos numa estreita ligação com o espiritismo. O seu uso parece ter começado na Caldéia, mas a afinidade entre esse país e o antigo Egito tanto no idioma, assim como na religião, é bem conhecida e, portanto, o Sr. Poole traça o nome a uma raiz egípcia, e explica-o como segue: “Em egípcio a palavra ter significa “uma forma, tipo de transformação, ‘, e determina uma múmia. Ele é utilizado no Ritual, onde as várias transformações dos mortos no Hades são descritos. A pequena figura em forma de múmia, Shebtee, geralmente feito de barro cobertas com um verniz vítreo azul, representando o egípcio falecido, é de natureza conectante com a magia, pois foi feito com a idéia de que ele garantiria benefícios em Hades; e ela está conectada com a palavra ter, pois representa uma múmia, pois foi usada no estado em que o falecido passou por transformações, teru. A dificuldade que proíbe fazermos mais do que conjecturas na relação entre ter e terafins está no terço do último radical, e em nosso presente estado de ignorância com respeito ao antigo Egito e da linguagem primitiva da Caldéia em suas relações verbais à família semítica é impossível dizer se é provável de ser explicado. A conexão possível com a magia egípcia religiosa não pode ser menosprezada, especialmente porque não é permitida a idolatria na casa dos hebreus como culto ancestral, e o Shebtee era a imagem de um homem falecido ou mulher, como uma múmia e, portanto, como um Osíris, tendo a insígnia de uma divindade, e isso seria uma maneira de endeusar uma pessoa morta, embora não sabemos se ele foi usado no culto ancestral dos egípcios.”

Se há alguma verdade nisso é a de que o uso de ídolos era precisamente análogo à consulta dos mortos por espíritas modernos. E, qualquer que seja a origem da palavra, o fato de que as imagens significadas por ele foram mantidas com a finalidade ilícita de adivinhação. Mas este facto é muitas vezes obscurecido em nossa versão pela substituição de “ídolos”, ou “idolatria”, para “terafins.” As bem conhecidas palavras de Samuel a Saul, deve ser entendidas: “Porque a rebelião é como o pecado de adivinhação , e a obstinação é como idolatria e terafins “. E Zacarias também disse: “.. Pois os terafins falam vaidade, e os adivinhos têm visto mentira, e contam sonhos falsos ”

Mas aqueles que usaram terafins, embora desobedeceram a lei de Jeová, buscando até os mortos para estabelecer uma comunhão com os demônios, não parecem ter negado abertamente. Isto nós podemos ver pelos casos de Labão, Mical esposa de Davi, e os israelitas heréticos de épocas posteriores. E aqui podemos descobrir um outro ponto de semelhança entre os menos avançados espíritas modernos e os adivinhadores antigos de ídolos.

A taça que foi encontrado no saco de Benjamim.

Já notamos o surgimento da interpretação de sonhos por médiuns no tempo de Joseph. Um incidente do mesmo período revela a prevalência de uma outra arte sobrenatural. Para o administrador, quando acusou os irmãos de José de roubar a taça de seu mestre, exclamou: “Não é este em que bebe meu senhor, e por meio de que de fato ele adivinha”  Não temos que supor que José seguiu as práticas mágicas do Egito, as palavras foram apenas concebidos pelo mordomo, em referência a um costume universal do país, para aumentar o valor do copo. Pois quando se interpreta os sonhos do copeiro-chefe e padeiro-mor, bem como quando convocado à presença do Faraó, José negou todas as relações com os demônios, e declarou que a revelação que ele estava prestes a fazer tinha vindo diretamente de Deus. Quando, portanto, ele depois disse aos seus irmãos: “Não sabeis que um homem como eu bem adivinha?” Devemos entender que ele se refere a uma citação dos costumes do Egito. Ele não está, no entanto, referindo-se as palavras anteriores do mordomo: por que ele não poderia ter adivinhado por um copo que não estava no momento de sua posse.

A prática a que alude o mordomo era provavelmente a mesma que ainda está em voga entre magos egípcios, e consiste em derramar algo em um copo, por contemplar fixamente até que uma pessoa é hipnotizada e habilitada para ver no líquido qualquer que seja o desejado. Lane, em seu “Egípcios Modernos”, faz um relato notável e bem conhecido de um xeique que adivinhava dessa maneira, mas com a diferença de que o menino que era para ser hipnotizado olhou em um líquido preto derramado sobre sua mão.

Conflito de os magos do Egito com Moisés.

Quando Moisés começou a exibir as maravilhas de Deus diante de Faraó, os médiuns egípcios (ou adeptos) foram imediatamente convocados, como sendo eles próprios também acostumados a trabalhar maravilhas. E até um certo ponto, eles conseguiram imitar o profeta hebreu, apesar de serem totalmente incapazes de realizar seus milagres e dar alívio aos seus conterrâneos. Eles fizeram suas varas se tornarem serpentes, eles transformaram água em sangue, eles trouxeram sapos do rio Nilo, mas então o poder de seu senhor acabou, pois, por maior que fosse, era finito. Todos os seus esforços para imitar o próximo milagre foram em vão e eles foram obrigados a recuar, e confessaram que já não podiam lidar com o Todo-Poderoso.

Motivo da denúncia freqüente de feitiçaria na lei. Os médiuns destruídos por Saul.

Podemos agora compreender a referência frequente na lei do Sinai para praticantes de todos os tipos de feitiçaria. Era necessário destruir a influência dos magos egípcios, e para preparar o povo de Deus para perigos talvez piores que os que esperavam na Terra da Prometida. Pois Canaã continha muitos descendentes dos Nephilim, e consequentemente, fervilhava de médiuns, por cuja influência, uma vez que a lei não foi posta em vigor contra eles, os israelitas foram seduzidos à idolatria e envolvidos em problemas amargos.

Saul, provavelmente por instigação de Samuel, destruiu esses malfeitores com tal vigor que os poucos que sobreviveram só podiam praticar suas artes perversas em segredo, e um longo tempo decorrido até que feiticeiros e falsos profetas recuperaram seu poder em Judá.

No entanto, depois de um tempo, o destruidor apelou para a ajuda de alguém que tinha escapado do fio da espada, e sofrido advertência do profeta que a rebelião é como o pecado de adivinhação, e que a teimosa obstinação é como idolatria e terafins. Pois quando Samuel proferiu essas palavras, Saul já havia sido culpado de rebelião e teimosia. Ele era, portanto, também capaz dos crimes de adivinhação, idolatria, e a consulta de terafins, hediondo como no tempo em que aconteceu. Deixe seu coração ser afastado de Deus, e não há pecado tão grande, tão escandaloso, a ponto de ser impossível para nós. O fim da história de Saul é uma prova triste isso, e mostra como é fácil um homem torna-se preso aos poderes do mal quando a multidão de suas provocações se torna o Espírito da Maioria.

Afaste-se dele, e ele fica sozinho no meio das ruínas de seus propósitos doentios, enquanto a reunião de seus medos pressagia uma tempestade impiedosa sobre a sua cabeça desprotegida.

NA: Podemos observar com a leitura acima, que o título que o Espiritismo se utiliza como terceira revelação, em NADA tem de revelação, pois todos os tipos de manifestações chamadas espirituais (na verdade demoníacas) já existiam desde os tempos dos faraós, e de maneira bem mais intensa, só que os ministros de Lúcifer resolveram “baixar a bola” e, ao invés de quererem ser tidos como deuses, preferem ser chamados de Espíritos de Luz, Espírios Guias, Avatares, Pretos Velhos, Caboclos, etc…mas sempre com a mesma finalidade, enganar o homem e levá-lo para longe de Jesus. Se o espírita estiver lendo isso, agora é hora realmente se ler isso com imparcialidade e colocar em cheque muitas das “verdades codificadas” por Kardec…vejam que mais uma vez a Bíblia está certa em dizer: “O que tem sido, isso é o que há de ser; e o que se tem feito, isso se tornará a fazer; nada há que seja novo debaixo do sol.” Eclesiastes 1:9

Continua…

Anúncios

Um comentário sobre “AS ERAS MAIS PRIMITIVAS DA TERRA – PARTE 3

  1. Na época em que eu frequentava a teosofia e estava deixando o espiritismo por causa do pessimismo, conheci a sey cho no iê, nem sei se escreve assim, mas cansei, se um exagerava no pessimismo, o outro exagerava no otimismo; li a literatura deles.

    Tinha o hábito de passar tardes inteiras em biblioteca púbica em Brasília-DF, no Instituto Nacional do Livro, pesquisando, devorando livros, fazendo anotações.

    Foi dessa maneira que li diversos livros sobre astrologia, numerologia e cabala; fiz mapa astral utilizando os vários temas, cruzando as informações, até enjoar, perder o meu interesse, depois da minha curiosidade satisfeita.

    Fui a uma palestra de astrólogos, não sei se eu tinha uns 17 anos, perguntei tanto, que eles se calaram, no final falaram comigo que não tinham respostas para mim e que eu havia estudado mais o tema que eles.

    Não vi nada de sobrenatural. O que aprendi é que está na mão do ser humano escrever a história da vida dele.

Os comentários estão desativados.