SATANÁS NÃO POSSUI AS CHAVES DA MORTE

Temos diferentes vocações no que se diz respeito aos trabalhos e tarefas que Deus nos dá nesta vida. Mas todos nós compartilhamos a vocação da morte. Cada um de nós é chamado a morrer. Essa vocação é tanto um chamado de Deus como uma “chamada” para o ministério de Cristo. Às vezes, a chamada vem de repente e sem aviso prévio. Às vezes ele vem com notificação prévia. Mas se trata de todos nós. E isso vem de Deus.

Estou ciente de que há professores que nos dizem que Deus não tem nada a ver com a morte. A morte é vista estritamente como o dispositivo diabólico do Diabo. Toda a dor, o sofrimento, a doença e a tragédia são acusados ​​no Maligno. Deus é absolvido de qualquer responsabilidade. Este ponto de vista foi projetado para ter certeza de que Deus está livre de culpa por qualquer coisa que acontece de errado neste mundo. “Deus sempre quer a cura”, dizem-nos. Se a cura não acontece, então a culpa é de Satanás, ou conosco. A morte, dizem eles, não está nos planos de Deus. Ela representa uma vitória de Satanás sobre o reino de Deus.

Tais opiniões podem trazer alívio temporário para os aflitos. Mas elas não são verdadeiras. Elas não têm nada a ver com o cristianismo bíblico. Elas têm a intenção de absolver Deus de qualquer culpa, mas elas contradizem a Sua soberania.

Sim, há um demônio. Ele é o nosso arquiinimigo. Ele fará de tudo ao seu alcance para trazer miséria em nossas vidas. Mas Satanás não é soberano. Satanás não possui as chaves da morte.

Quando Jesus apareceu em uma visão ao apóstolo João na ilha de Patmos, Ele se identificou com estas palavras: “Não tenhais medo; Eu sou o Primeiro e o Último. Eu sou aquele que vive, e foi morto, mas eis aqui estou vivo para sempre. Amém. E eu tenho as chaves da Morte e do Inferno “(Ap 1, 17-18).

Jesus tem as chaves da morte e Satanás não pode roubar as chaves de sua mão. A afirmação de Cristo é firme. Ele possui as chaves, porque Ele é o dono das chaves. Todo o poder no céu e na terra foi dado a ele. Isso inclui toda a autoridade sobre a vida e a morte. O anjo da morte está sob Seu controle e chamada.

A história do mundo tem testemunhado o surgimento de muitas formas de dualismo religioso. Dualismo afirma a existência de duas forças iguais e opostas. Essas forças são chamadas de bem e mal, Deus e Satanás, Yin e Yang. As duas forças estão travando um combate eterno. Uma vez que elas são iguais, assim como oposto, o conflito vai durar para sempre, com nenhum dos lados ganhando sempre. O mundo está fadado a servir como campo de batalha eterno entre essas forças hostis. Nós somos as vítimas de sua luta, os peões no seu jogo de xadrez eterno.

O dualismo está em rota de colisão com o cristianismo. A fé cristã não tem lugar no dualismo. Satanás pode se opor a Deus, mas ele não é de nenhuma forma igual a Deus. Satanás é uma criatura; Deus é o Criador. Satanás é poderoso; Deus é onipotente. Satanás é experiente e astuto; Deus é onisciente. Satanás está localizado em sua presença; Deus é onipresente. Satanás é finito; Deus é infinito. A lista poderia continuar. Mas é claro nas Escrituras que Satanás não é uma força fundamental em qualquer sentido.

Não estamos condenados a um conflito final sem esperança de resolução. A mensagem da Bíblia é de uma vitória completa, final, e para sempre. Não é a nossa desgraça que é certa, mas a de Satanás. Sua cabeça foi esmagada pelo calcanhar de Cristo, que é o Alfa eo Ômega.

Acima de tudo o sofrimento e a morte significam o Senhor crucificado e ressuscitado. Ele derrotou o inimigo supremo da vida. Ele venceu o poder da morte. Ele nos chama para morrer, um chamado à obediência na transição final da vida. Por causa de Cristo, a morte não é final. É uma passagem de um mundo para o outro.

Deus nem sempre vai curar. Se Ele assim o fizesse, Ele iria sofrer frustrações sem fim, vendo a Sua vontade sendo frustrada várias vezes na morte de Seu povo. Ele não realizou a cura de Estevão das feridas infligidas pelas pedras que foram lançadas contra ele. Ele não realizou a cura de Moisés, de José, de Davi, de Paulo, de Agostinho, de Martin Luther, de João Calvino. Todos estes morreram na fé. Cura definitiva vem através da morte e após a morte.

Os professores argumentam que há cura na expiação de Cristo. Na verdade, existe. Jesus carregou todos os nossos pecados na cruz. No entanto, nenhum de nós está livre de pecado nesta vida. Da mesma forma, nenhum de nós está livre da doença nesta vida. A cura que está na cruz é real. Nós participamos de seus benefícios agora, nesta vida. Mas a plenitude da cura do pecado e doença ocorre no céu. Nós ainda devemos morrer em nossos tempos determinados.

Anúncios