SEGREDOS OCULTOS DO LABIRINTO – PARTE 4

O luminoso querubim de quatro asas que enchia o jardim com sua luz vermelha e fulgurante era uma visão impressionante enquanto descansava na Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. A imagem da árvore com o anjo deslumbrando seus ramos tinha um nome: fênix, uma palavra relacionada ao grego phoinos (φοῖνιξ) ou phonos, que significa “sangue vermelho ou púrpura”, a cor da realeza. “Phonos” também significa “assassinar” ou “acertar”.

Labyrinth8

A descrição da fênix como um pássaro lendário de fogo se encaixa com o querubim na árvore. Ovídio descreve o mítico pássaro em sua Metamorphoses:

“Existe um pássaro q ue se renova, e se reproduz por si mesmo. Os assírios o chamam de fênix. Ele não se alimenta de sementes e ervas, mas de gotas de incenso, e da seiva da planta cardamomo. Depois de viver por quinhentos séculos, aí então ele faz um ninho para si mesmo nos ramos mais altos de uma palmeira que balança, usando apenas o bico e as garras. Assim que alinhou com casca de cássia e picos suaves de nardo, fragmentos de canela e mirra amarelo, instala-se no topo, e termina a sua vida entre os perfumes.

Eles dizem que, a partir do corpo do pai, um jovem Phoenix renasce, destinada a viver o mesmo número de anos. Quando a idade lhe der força, e puder transportar cargas, ele ilumina os ramos da palma alta do ninho pesado, e piedosamente carrega seu próprio berço, que foi o túmulo de seu pai, e, chegando à cidade de Hyperion, o deus-sol, através do ar claro, coloca-se em frente das portas sagradas do templo de Hyperion.”

Como a fênix, o Nachash “morre” devido a uma maldição imposta nele por Deus:

Então o Senhor Deus disse à serpente: Porquanto fizeste isto, maldita serás mais que toda a fera, e mais que todos os animais do campo; sobre o teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida. Gênesis 3:14

Como veremos adiante, o Nachash planeja renascer de cinzas de sua morte e jogar fora sua imagem de rebaixada serpente, para no final governar a Terra como o deus da luz. O Nachash transformou o paraíso num deserto e introduziu a morte, que pode ser entendida como o primeiro ato de assassinato feito à humanidade. Na verdade, em Sua resposta aos Fariseus que O questionavam, Jesus se referiu ao querubim especificamente como um assassino/homicida:

Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira. João 8:44

A palmeira é muitas vezes vista na arte maçônica. As pinadas ou folhas “tipo-pena” da palmeira imitam a aparência do querubim na árvore. Em uma inversão típica da verdadeira natureza do Nachash, uma pessoa andando em um deserto pode encontrar um oásis. No lugar cercado pelas “areias da morte” do deserto, a água do oásis e o fruto vivificador da Phoenix dactylifera (tamareira) proverá a restauração.

Jesus não só chama a atenção para o fato de que Satanás era o assassino original, mas indica que ele imita a verdade, pegando o símbolo do querubim de luz na árvore simbolizada pela Phoenix:

Disse-lhes, pois, Jesus: Se Deus fosse o vosso Pai, certamente me amaríeis, pois que eu saí, e vim de Deus; não vim de mim mesmo, mas ele me enviou. João 8:42

O Nachash sempre tentou imitar Cristo e substituí-Lo como a “luz” do mundo. Assim como Ovídio descreve o ciclo da Phoenix, o Nachash vem de si mesmo e para si mesmo. Aqueles que deliberadamente rejeitam a Deus para seguir a falsa luz do querubim, o “caminho da desolação”, resumem o que significa quebrar o Segundo Mandamento:

Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão. Êxodo 20:7

A palavra hebraica para “vão” é Shav (שָׁוְא), que significa “vazio”, “nada”, “falsidade” ou “desolação”.

O Arco-Arqueiro

Labyrinth9

O conceito de seta que espelha a qualidade da criatura no jardim pode ser estendido para o centauro, o arqueiro mitológico cuja habilidade faz com que a investigação da etimologia por trás da palavra “arqueiro” seja significativa. Em grego, o archi ou arch significa “o chefe ou líder principal, o primeiro na classificação.” O Nachash era conhecido como o mais belo dos querubins. [V] O arche em Latim a partir do “archi” grego também significa “para começar , para liderar, governar”. Na arquitetura, a estrutura conhecida como “arco” é usado extensivamente em pedraria, na verdade vem da palavra proto-indo-européia para o arco e flecha. “Tiro com Arco”, do Latim arcus, é “a arte, prática ou habilidade de impulsionar as setas com o uso de um arco.” Qualquer um conhecido na mitologia como um arqueiro habilidoso também era um caçador eficaz ou guerreiro.

O “arche” grego tem o significado primário de um início ou uma origem de causa primeira. O significado de arche ou archai durante o século VIII AC sempre significou a fundação do início de uma idéia ou princípio, ou algo com uma base sólida.

O filósofo grego Anaximandro (610-546 aC) foi o primeiro a usar o termo “arche”, mais tarde chamado de “substratum” pelo filósofo grego Aristóteles (384-322 aC) a atribuir algo como tendo atributos divinos. O substratum é a substância divina, eterna, que abrange todas as coisas e lhes dá valor.

Aristóteles usou “substratum” para definir um elemento ou princípio que não é facilmente compreendido, mas descrito de maneira a tornar possível a sua existência. Para ele, o arche era o elemento ou primeiro princípio de tudo que existe. Ele considerou-o como uma substância permanente na natureza chamada physis, e afirmou que todas as coisas em primeiro lugar vieram a ser a partir dela até que sejam resolvidos em um estado final.

Os pedreiros “iluminados” que utilizam a estrutura do arco simbolicamente, honram e representam seu deus continuamente nas formas e nomes das estruturas que habilmente produzem. O “motor imóvel”, ou “demiurgo”, do filósofo grego clássico Platão (428-347 aC), conforme descrito mais tarde pelos neoplatônicos, tinha três princípios ordenadores:

1. Arche: “Início” – a fonte de todas as coisas

2. Logos: “Palavra” – a ordem subjacente que está escondida sob as aparências

3. Harmonia: “Harmonia” – relações numéricas em matemática

A idéia de arche, logos, e mais importante, as proporções especiais, combinam-se para fazer um estilo emblemático de edifício conhecido hoje como arquitetura Palladiana, que tem sido utilizada em todos os templos antigos. O poeta grego Hesíodo (750-650 aC) escreveu que o arche ou origem do mundo começou com nada (caos) e que a terra e o céu saíram do caos.

Pilares

Uma cunha ou obstrução foi fixada no local no momento em que a união de Deus e dos homens, o céu e a terra, foi interrompida. Uma ilustração apropriada deste novo estado seria o símbolo dos pilares. O mais rígido e gracioso dos edifícios arquitectônicos foram estabelecidos após Éden e agora simbolicamente separam o céu da terra. Eles foram parcialmente removidos na reconciliação entre Deus e o homem que ocorreu por meio da morte e ressurreição de Jesus Cristo. Pilares que representam a separação física dos céus e da terra ainda existem. Nos próximos capítulos, veremos como estes serão “removidos” no futuro, primeiro de uma forma falsificada pelo Nachash e, em seguida, pelo próprio Deus.

A História de Atlas

A mitologia tem sido interpretada como uma alegoria para explicar ou personificar um fenômeno natural ou entendida como um antigo processo de evolução da ciência. Normalmente, a mitologia comparativa interpreta as narrativas como simples “histórias”, montadas talvez para ensinar, entreter, ou explicar a origem do homem. Não é comum vermos os personagens dos mitos e fazermos associações deles com aqueles que encontramos na história do Jardim do Éden. No entanto, ao usarmos e extendermos esse último entendimento, os personagens, esse personagens podem não se parecer diretamente com os personagens no Éden, mas podem ser entendidos como antíteses ou aqueles que ganham formas simbólicas ou atributos através do ponto de vista do Nachash.

A personificação dos pilares no mito grego é o Titã Atlas. Na sua Teogonia, a história grega para a “origem dos deuses”, Hesíodo escreveu que o primeiro de todos os deuses foi o Caos. Ele reinou como a “personificação do nada”.

Magnum Chaos representado na Basílica di Santa Maria Maggiore em Roma

Labyrinth10

O próximo deus primordial vindo do Caos foi a Terra (do grego: Gaia), que trouxe o Céu (do grego: Ouranos; do latim: Uranus). O primogênito nascido da Terra e do Céu foi Cronos (Tempo). Ele foi o primeiro dos Titãs (“Restritores”), como o Céu os chamava. É dito que o Tempo odiava seu pai, o Céu:

Mas esses filhos que se engrandeciam perante o Céu, este os chamava de Titãs (Restritores) em reprovação, pois ele dizia que eles restringiam presunçosamente num ato terrível, e uma vingança devido a isso viria depois.

O Céu e a Terra fizeram muitos filhos, assim como terríveis monstros. Alguns desses eram o Cíclope, Cottus, Briareos e o Gyes de cinquenta cabeças e cem braços. O Céu sabia que ele eventualmente iria ser destronado por um de seus filhos e decidiu forçar todos os seus novos nascidos voltarem para Gaia para um lugar chamado Tártaro, a “horrível ou terrível região.”:

E ele costumava escondê-los todos num lugar secreto da Terra logo que eles nascessem, e não os faria sofrer ao virem para a luz: e o Céu se felicitava em sua maldade.

Gaia e o seu filho, Cronos, ficaram com tanta raiva pelas ações do Céu que eles maquinaram planos para puní-lo. Hesíodo escreveu:

E o Céu veio, trazendo a noite e anseio pelo amor, e ele se deitou sobre a Terra espalhando-se em cheio sobre ela.

Então o filho de sua emboscada, estendendo a mão esquerda e com a direita tomou a grande longa foice com dentes afiados, e rapidamente cortou os membros de seu próprio pai e lançou-os para longe por trás dele. E não foi em vão que os fizeram cair de sua mão; pois todas as gotas sangrentas que brotaram a Terra recebeu e, como as estações do ano se mudam ela levava o forte Erínias e as grandes Gigantes com uma brilhante armadura, segurando longas lanças nas mãos e as ninfas a quem chamam de Meliae por toda a terra sem fronteiras.

Depois que Cronos tomou o trono de seu pai, ele decidiu prender novamente seus irmãos, voltando-se para a mesma regra injusta de seu pai. Ele começou a engolir os seus próprios filhos, os de sua irmã-esposa Rhea.

Rhea e a Deusa Cybele

Rhea está relacionada à importante deusa Cybele (descrita no capítulo 5), uma vez que é idêntica a ela em muitos aspectos. Ambas têm sido representadas nas artes antigas como uma mulher sentada num trono flanqueado por leões.

O Nascimento de Zeus

Rhea escondeu o seu filho mais novo, Zeus, de Chronos, substituindo-o com uma pedra embrulhada em um cobertor. Ela, então, trouxe Zeus para uma caverna, onde ele foi criado por Amalteia ou Adrasteia, que significa “o inevitável”, e o deus-bode, Pan. Amalteia também tem sido conhecida como Ide ou a ninfa do Monte Ida, que está localizado em Anatólia (atual Turquia), e diz-se ser a origem dos troianos e a montanha da deusa Cibele. Adrasteia também era conhecida como a deusa grega da vingança impiedosa, Nemesis.

A fim de fazer Cronus não ouvir a criança, Amalteia tinha os jovens do sexo masculino dançando conhecidos como o Kuretes ou Korybantes a gritar e batendo as lanças contra seus escudos para abafar seus gritos. Este é um exemplo de como a comparação mito/jardim é aplicada. O substituto de pedra pode ser pensado como um truque que Satanás orquestra contra o Deus único, a idéia é que a vontade de Deus foi subvertido pelo Nachash e que o “Deus-Zeus” agora precisava ser alimentado pelas ações do Nachash e Eva. Usando esta técnica pouco ortodoxa, a imagem de Zeus (Deus), Amalteia (Eva), e Pan (Nachash) juntos na caverna se escondendo de Chronos é perversamente semelhante à situação no Jardim do Éden.

Terra e Cronos

O Nachash estava presente quando Deus fez a Terra. O livro mais antigo do Velho Testamento, Jó, menciona o estabelecimento da terra:

Onde estavas tu, quando eu fundava a terra? Faze-mo saber, se tens inteligência.
Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel?
Sobre que estão fundadas as suas bases, ou quem assentou a sua pedra de esquina,
Quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus jubilavam?
Jó 38:4-7

Uma passagem anterior do livro de Jó identifica Satanás como tendo o apelido de “filho de Deus”:

E num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor, veio também Satanás entre eles. Jó 1:6

O relato de como a Terra e o Céu se separaram na Teogonia de Ovídio, a “castração do paraíso”, como espelhada na história do jardim, foi, de acordo com o ponto de vista de Satanás, uma representação distorcida do ato que ele orquestrou contra Deus seu Criador, o Deus do Universo. Foi a última desrespeitosa e indigna “emasculação” do próprio Deus.

O “Zeus-Deus” ajudado por Rhea-Cybele e depois Amalteia (Eva) na Teogonia pode ser visto como outro insulto escandaloso, como se o ato de Satanás no jardim era pelo amor de Deus ou que Deus não percebia a grandeza do que Satanás tinha feito por Ele. “Deus” era “alimentado”, permitiu participação neste “plano do sutil.”

Chronos assume uma nova identidade a este ponto na Teogonia e representa o “injusto” Deus. O ato de levar Eva para o conhecimento do bem e do mal é simbolicamente revertido com Rhea protegendo Zeus como uma salvação, ato útil ao próprio Deus, que agora é representado por Zeus.

A Titanomaquia

Labyrinth11

Ao atingir a idade adulta, Zeus se tornou o copeiro de Cronos e o enganou fazendo beber uma mistura de mostarda e vinho, levando-o a vomitar os filhos engolidos. Depois de libertar os seus irmãos, Zeus os liderou em rebelião contra os Titãs, conhecida como a “Titanomaquia”, ou “Guerra de Titãs”.

Atlas entrou na história, juntamente com seu irmão, Menoetius, como inimigos de Zeus que lutam ao lado dos Titãs. Quando eles foram derrotados, todos eles, exceto Atlas foram confinados no Tártaro. Zeus condenou Atlas para ficar na borda ocidental de Gaia (Terra) para segurar Urano (Céu) sobre os seus ombros, e impedir que os dois pudessem novamente dar seu abraço primordial.

Hesíodo escreveu sobre o nascimento de Atlas:

Agora Iapetus casou com a empregada Climene, filha de Oceano, e foi com ela para a cama. E ela lhe deu um filho duro de coração, Atlas: também ela gerou o glorioso Menoetius e o inteligente Prometheus, cheio de vários artifícios, e o cérebro disperso de Epimeteu.

O nome “Atlas” vem da raiz proto-indo-européia tel, “para defender ou apoio.” Dois atlas são mencionadas nos mitos antigos. O Atlas envolvido na Titanomaquia era filho do Titã Iapetus e da Oceânica Ásia ou Klyménē (Κλυμένη). O outro é conhecido como o filho de Poseidon e Cleito, a filha de Evenor, rei de Atlantis. O termo “Oceano Atlântico” se refere ao “mar de Atlas” e “Atlântida” se refere à “ilha de Atlas . ”

O Significado Oculto do Mito

Os antigos acreditavam que os deuses do mito tinham poder sobre a natureza e as vidas dos homens, e é razoável começarmos a exploração da alta classe de conhecimento com sua origem. O estudo da mitologia nesse sentido não será uma tarefa tão difícil. Mesmo que algumas das histórias possam ter se perdido ao longo dos séculos, ainda podemos obter um bom entendimento da qualidade, personalidade e o poder de cada deidade mitológica. Ainda temos os trabalhos de muitos escritores antigos que os descrevem com muitos detalhes. Para entedermos quem realmente os mitos representam e sua importância quanto aos objetivos dos descendentes vivos dos deuses (como eles consideram a si mesmos) e seu jogo final, devemos considerar que existe muito mais na mitologia do que simplesmente o entendimento de atributos e as origens dos deuses antigos. Um segredo subjacente permeia as histórias do mito e só podem ser discernidos pela sabedoria. Chegar a esse aprendizado do ponto de referência do Jardim do Éden é uma parte essencial do nosso caminho diferenciado de exploração. Continuando dessa maneira, mas dando um passo para trás por um momento no estudo de uma parte do quadrivium (ou seja, geometria), irá nos adicionar a sabedoria necessária para continuarmos.

O filósofo grego Platão endentia a importância da geometria e escreveu:

O conhecimento objetivado pela geometria é o conhecimento do eterno, e não o do perecível e transiente…a geometria levará as almas à verdade, e criar o espírito da filosofia, e fazer subir o que é infelizmente permitido a cair.

CONTINUA…

Anúncios

2 comentários sobre “SEGREDOS OCULTOS DO LABIRINTO – PARTE 4

    1. Porque não deu tempo de traduzir as outras partes. Lançaram o livro antes. Trabalho sozinho e faço o possível para traduzir o que penso ser mais relevante.

Os comentários estão desativados.