SANGUE DOS VERDADEIROS ADORADORES NO ALTAR

APÓS 8 SEMANAS DE SEU LANÇAMENTO, O LIVRO BLOOD ON THE ALTAR PERMANECE COMO NÚMERO 1 NA AMAZON!

O explosivo exposé de Thomas Horn permanece no topo de várias listas de livros

SPRINGFIELD: O exposé de Thomas Horn sobre a crescente perseguição de Cristãos disparou para o número 1 das listas dos livros mais vendidos (incluindo Amazon.com) semanas antes de seu lançamento, onde ele permaneceu um mês inteiro logo que chegou nas prateleiras das lojas.

BloodAltarNumberOne

Blood On The Altar: The Coming War Between Christian vs Christian (Sangue no Altar: A Guerra se Aproxima Entre Cristão contra Cristão), é o resultado de quase um ano de sólidas investigações da crescente perseguição contra Cristãos nos EUA e no mundo.

Com a ajuda de doze co-autores bem conhecidos, o mais novo título da Editora Defender CEO, cita resultados recentes vindos da Pew Research Center (PRC), um prestigiado centro de pesquisa em Washington, DC (que providencia informações de problemas sociais e tendências demográficas formando o perfil do mundo), mostrou num informe de Janeiro de 2014: “Hostilidades Religiosas Aumentam no Sexto Ano Consecutivo”, mostra as crescentes perseguições religiosas ao redor do mundo. O estudo do PRC encontraram que as hostilidades envolvendo religião são atualmente mais frequentes direcionadas contra pessoas da fé Cristã. Resultados de um grupo sem denominação chamdo Open Doors (Portas Abertas), confirmaram os achados do PRC, dizendo que o número de Cristãos martirizados ao redor do mundo pela sua fé quase que dobraram em 2013. É uma tendência amedrontadora que não mostra nenhum sinal de melhora.

Além do Oriente Médio, onde a perseguição de Cristãos têm crescido, os achados do Pew também detalham uma escalada nos EUA das categorias mais baixas no governo da restrição das expressões Cristãs nos meados de 2009, para uma categoria mais avançada em apenas três anos, onde parece apontar para um crescimento contínuo até os dias no lançamento do livro investigativo Blood On The Altar. “Se as recentes atividades são uma indicação, não demorará muito para que ‘uma nação sob Deus’ se junte na lista vermelha dos países onde os crentes na Bíblia se encontrem sob a mais severa discriminação”, escreveu Horn.

A National Review Online apóia as críticas que Horn faz à atual política dos EUA. Num post recente revisado por Raymond Ibrahim, um sócio Shillman da David Horowitz Freedom Center, a 2014 World Watch List (que ranqueia as 50 nações onde os Cristãos são mais perseguidos) é citada para determinar que os EUA se tornou “o chefe facilitador da perseguição dos Cristãos ao redor do mundo hoje.” Enquanto a afirmação de Ibrahim reflete a maioria do envolvimento americano em conflitos externos, os exemplos de repressão nos EUA contra pessoas da fé Cristã estão crescendo, e os exemplos são facilmente encontrados online.

Mas Blood On The Altar vai além dos jornalistas e pensadores para expôr a perigosa guerra cultural que está dividindo as igrejas e colocando “Cristão contra Cristão” em problemas como: casamento gay, ecumenismo e até mesmo as políticas do Obama healthcare (onde, apesar de recentemente a Suprema Corte falar do caso “Hobby Lobby”, pesquisas mostra uma grande maioria dos americanos numa taxa de dois pra um contra a Suprema Corte e querendo mandatos federais contra Cristãos em tais casos).

A surpreendente reação de Blood On The Altar levou-o a um dos melhores programas de rádio Hangmann & Hangmann convidarem Horn e o radialista veterano Stephen Quayle para discutirem (num período de seis horas) o que alguns já chamam de “a melhor série de rádio de todos os tempos”. Nesse programa (que permaneceu como o BlogTalkRadio News número um no mundo por muitas semanas), Horn adentrou em novos territórios que iam de problema sociais até ciência e tecnologia. Ele dissertou sobre como eles terão um papel no que ele chamou de “uma grande guerra vindoura no verdadeiro Cristianismo”, gerando comentários em blogs e sites de notícias ao redor do mundo e inflamando controvérsias.

O Co-autor Dr. Michael Lake, presidente cristão de uma faculdade no Missouri, disse na última semana que Blood On The Altar também pode estar agitando as coisas nas igrejas. “Estava numa ligação com um pastor da cidade de Nova Iorque”, disse Lake a Horn num email. “Eu estava em NY para apresentar um seminário que desenvolvi incluindo o livro Blood On The Altar. No seminário, existiam aproximadamente 80 pastores e bispos representando 65 igrejas ou mais em NY, os quais atendiam em todos os lugares a mais ou menos centenas ou milhares de pessoas. […] Esse pastor me informou que ele estava pregando o que dizia no Blood On the Altar nas últimas semanas, e que a maioria dos outros pastores estavam fazendo a mesma coisa. Essas igrejas se moveram em arrependimento pois haviam se tornado mornas. O reavivamento está começando…até mesmo entre os adolescentes!”

Essas foram grandes notícias para Horn. Um dos objetivos do livro desde o início tem sido o de fazer com que as pessoas recebam um alerta significativo antes que seja tarde demais e agir perante os fatos ao diligentemente orar se oferecerem em verdadeiro arrependimento.

VEJAM O TRAILER “SEM CENSURA” DE BLOOD ON THE ALTAR

O filho de Billy Graham está fazendo a mesma coisa. Num artigo no site Billy Graham Evangelistic Association, Franklin Graham recentemente postou:

“Dificilmente se passa um dia em que não ouço uma pessoa dizer: “estamos perdendo nosso país; estamos perdendo nossas igrejas.” Enquanto o juízo final parece estar batendo a nossa porta, deixem-me voltar aos anos de 1800. Muitos pensam neles como os “bons velhos tempos”, mas a história nos conta que nessa sociedade, desde então, era tão má quanto podia para aquele tempo. John Marshall, chefe de justiça da Suprema Corte dos EUA, escreveu ao Presidente James Madison e disse: “a igreja já foi longe demais para ser salva.” Quando nós examinamos o porque disso, vemos que os pastores haviam parado de pregar o verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo, e as pessoas não ouviam mais a Palavra de Deus.

O que mudou? Os Cristãos começaram a diligentemente orar por um reavivamento, e o resultado foi o Segundo Grande Despertar. Onde as orações das pessoas balançaram os céus, e quando a Bíblia foi aberta nos púlpitos e a Palavra de Deus proclamada por pastores apaixonados, a igreja acordou de supetão pelo Espírito Santo, que se moveu nos corações, espalhando o reavivamento através dos corações da América.”

(A menção de Graham dos Grandes Despertares e adirmação de que está na hora de outra grande ocorrência, deu uma idéia a Horn: por que não publicar os sermões que foram entregues aos pastores sobre os Grandes Despertares e dar às pessoas que comprarem o Blood On The Altar? Essa idéia evoluiu para incluir algumas outras fontes e até mesmo uma maneira das pessoas adiquirirem o novo livro de graça, onde podem aprender sobre ele ao seguirem o link do gráfico no topo da página aqui.)

Um dos outros autores de Blood On The Altar é o Dr. Chuck Missler, um apologista Cristão bem conhecido e fundador do ministério Koinonia House em Coeur d’Alene, Idaho. Ele também acredita que possa haver uma luz no fim do túnel nessa perseguição contra os Cristãos. Uma vez que crentes conservadores encontram cada vez mais dificuldades para atender a igrejas liberais (e às vezes até mesmo hostis), ele relata:

“Existe quase que um consenso através da América, assim como em muitas outras partes do mundo, nos qual as pessoas estão se encontrando em grupos pequenos em suas casas durante a semana, redescobrindo a Bíblia, e aproveitando melhor e mais íntima relação do que a que encontram na “igreja de domingo”. Muitos deles são encorajados e apoiados pelas associações de suas igrejas formais; outros simplesmente se encontram de maneira independente. Isso é especificamente verdadeiro entre a maioria dos jovens, para os quais a “igreja de domingo” é apenas um esporte com espectadores, e para aqueles que procuram uma participação mais pessoal e responsabilidade.

Afinal de contas, foi assim que tudo começou: doze caras juntos numa praia com seu Professor. Todos os grandes episódios da igreja primitiva no livro de Atos aconteceram em casas. Só no século quatro é que os edifícios começaram a ser construídos, quando os cristãos trocaram os trapos das cavernas pelas as sedas da corte. E embaixadores comprometidos foram substituídos por mercenários, inseridas entre um participante e a própria Palavra.

Em mais de sessenta anos como Cristão praticante, o lugar onde vi as pessoas mais crescerem espiritualmente foi dentro de pequenos grupos de estudo da Bíblia: onde eles podem fazer perguntas e serem responsáveis uns pelos outros.”

Essas esperanças podem implicar, como alguns acreditam, que a crescente perseguição dos verdadeiros adoradores ao redor do mundo hoje pode ser o presságio de um iminente despertar dos últimos dias…um reavivamento no sentido mais puro da palavra? Thomas Horn acha que sim. Mas de uma coisa ele tem certeza: a crescente animosidade contra os Cristãos é um perigo real e presente que só vai piorar nos dias vindouros.

“Entre o agora e o clímax do encontro quando a batalha sobrenatural descrita nos livros proféticos da Bíblia começar me maneira séria, veremos a divisão entre o Cristianismo religioso e o autêntico de modo nítido”, ele escreve. “É difícil para nós imaginarmos isso, em locais como os EUA, verdadeiros adoradores podem um dia serem queimados vivos nas igrejas, o que já está acontecendo na Nigéria hoje. Dificilmente conseguimos imaginar pessoas boas serem crucificadas vivas, mas os Cristãos no Paquistão estão vivendo este pesadelo agora. E nos EUA, aquela cidade na montanha uma vez listada dentre os locais mais seguros na Terra para Cristãos, uma maré de anti-cristianismo nos últimos anos já empurrou esse país dentro de uma categoria recentemente reservada só para aqueles governos que restringem e criminalizam expressões de um verdadeiro Cristianismo. Quantos anos mais as pessoas serão capazes de comprar um livro como esse antes que seja banido?”

Não podemos responder a essa pergunta. Pelo menos por agora, as pessoas o estão podendo comprar.

 

 

Anúncios