ROMA E A MARCA DA BESTA

A MARCA DA BESTA

 

Depois de sua ressurreição, Yeshua ficou 40 dias (Atos 1:3) com Seus discípulos e os ensinou mais sobre o Reino de Deus. No Livro de Atos (1:6) eles fazem a seguinte pergunta: “Senhor, é nesse tempo que restauras o reino a Israel?” A resposta que Ele dá aos seus amigos (João 15:15) é essa (Atos 1:7): “A vós não vos compete saber os tempos ou as épocas, que o Pai reservou à sua própria autoridade.”

Considerando o versículo 7 isoladamente, parece até uma resposta nada amigável. Não é bem assim. Essa resposta é sobre o casamento. Nas tradições do  casamento judeu, quando o noivo deixa sua noiva, ele volta para a casa de seu pai para construir uma casa ou “chuppah”. No entanto, é dever de seu pai checar a qualidade da estrutura e então dar a luz verde para que seu filho receba a noiva. Se os membros da comunidade o virem que ele está ocupado com alguma coisa e o perguntarem: “Então quando é que você vai se casar?” Ele resposta dele seria: “Eu não sei, só o meu pai sabe”. Tentar estipular uma data e uma hora em que o Messias retornará é inútil, mas podemos identificar a época em que todas essas coisas acontecerão (Lucas 21:29).

A frase “marca da besta” aparece cinco vezes no Livro de Apocalipse (de Jesus Cristo), sendo a primeira em Apo 13:16-17 “E fez que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, lhes fosse posto um sinal na mão direita, ou na fronte, para que ninguém pudesse comprar ou vender, senão aquele que tivesse o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.” Então vemos que as partes do corpo que são relevantes são a “mão direita, ou na fronte”.

Existem duas grandes escolas de pensamento sobre a interpretação do local onde essa marca será recebida. Alguns acreditam que devemos interpretar literalmente. De acordo com essa teoria, alguma forma de tecnologia será implantada nas mãos e na testa. Numa era onde as capacidades tecnológicas estão se desenvolvendo rápido ano após ano, esse argumento não parece ser tão impossível. Também chagamos a um estágio onde o transhumanismo está ganhando considerável atenção. O que é transhumanismo? Transhumanismo (H+) é um movimento intelectual e cultural internacional que afirma a possibilidade e desejo em transformar a condição humana através do desenvolvimento e fabricação de variadas tecnologias a fim de aumentar o intelecto humano, suas capacidades físicas e psicológicas. Eles preveem que os seres humanos poderão eventualmente serem capazes de se transformarem de tal maneira que tendo tantas capacidades que teriam o mérito de serem classificados como “pós-humanos”. Isso está se tornando popular no cinema (Hanna, Splice). A terminologia é obviamente moderna, mas o conceito não é tão novo assim. Alterar material genético é algo que vem desde os tempos de Gênesis 6:2: “viram os filhos de Deus (anjos caídos) que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram.” O resultado dessa mistura de espécies é chamada de “nephilim”, traduzido como “gigantes” em português, devido ao seu tamanho e força.

E existam também os que acreditam que essas “mão e fronte” são símbolos de “nossas obras/deveres” e  “nossa mente”. Eles alegam que isso se refere à violação do 4o Mandamento (Edito de Constantino 321 DC, Conselho de Laodicéia cerca de 363 DC) no qual houve a mudança do Sábado para o Domingo. O Sabbath é único e está gravado nos Dez Mandamentos (Êxodo 20), e também nas Festas (ou encontros) do Senhor (Levíticus 23). Em Êxodo 20:8 nós lemos: “Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.” Mais na frente eles explicam que lembrar é uma função mental em nós, e que “fronte” é então um simbolismo para a mente. Ao fazermos nossas obras com nossas mãos, alterando o dia do descanso, teremos então um impacto ao fazermos essas obras.

Parece ser de consenso geral entre a maior parte dos estudiosos da Bíblia que a “besta” é referida a um reino (Daniel 7:23) ou império e que esse seria o Império Romano. Mas sabemos que o Império Romano caiu ao redor de 476 DC, mas a União Europeia reviveu o Império Romano. O nascimento da moderna UE foi em 1957 (Tratado de Roma) e a nova constituição da UE assinada em Outubro de 2004 numa cerimônia no Monte Capitolino em Roma.

Então será nessas estruturas que surgirá o “homem do pecado” ou “anticristo”, que irá impor um sistema econômico global que controlará a economia (comprar e vender), o que explica a necessidade de uma nova ordem mundial.

Anúncios